História do Chapéu Clochê

 

Olá, pessoal!

Como estão?

Hoje iremos abordar a história do Chapéu Clochê , que é sinônimo de delicadeza e sofisticação, sendo excelente para compor um look romântico, além de combinar muito bem com peças no estilo clássico.

O formato definitivo dos chapéus clochê surgiu nos anos 20, quando o estilo mais  andrógino de se vestir estava em alta: mulheres com cabelos curtos se popularizaram e esse modelo de chapéu entrou em cena. No entanto, desde a década de 1910, os chapéus começaram a mudar de forma, tornando-se pequenos e ajustados a cabeça até adquirirem o formato de “sino”, o qual deu nome ao chapéu clochê , proveniente do francês.

Este modelo se tornou popular nos anos 20,  através de um grupo de mulheres denominado “as melindrosas”. Eram jovens alegres e namoradoras em busca de diversões e emoções, destoando com o perfil feminino até então.  A vestimenta era composta por saias curtas, maquiagem “pesada” com grandes olhos expressivos pintados de preto e a boca carmim em formato de coração, não usavam espartilhos, as jóias eram art déco com muitos colares de pérola, anéis, broches e óculos de aro de tartaruga. Os cabelos, na altura das orelhas, à la garconne ou bob, tanto lisos como ondulados eram usados com chapéu clochê.

As melindrosas ouviam e dançavam provocativamente o jazz e o Charleston, bebiam e fumavam em público, dirigiam automóveis e viam o sexo como algo casual.

Elas, definitivamente, desafiaram as convenções. Este comportamento surgiu devido à onda do liberalismo Pós Primeira Guerra Mundial. Alguns dizem que com as perdas após a Primeira Guerra, a moda feminina veio para compensar, tinha que ser sexualmente provocante para impulsionar o índice de natalidade, o que gerou maior liberdade sexual. Outros historiadores sugerem que as mulheres estavam afirmando os seus direitos recém-conquistados de se vestirem como homens, ou que estavam tentando substituir os homens jovens que haviam morrido na guerra. De qualquer modo, os cabelos e as saias curtas das melindrosas se tornaram símbolo da emancipação feminina, do sexo antes do casamento, da possibilidade de se falar um palavrão, da competição com os homens no trabalho e na independência financeira. Não haviam as cinturas apertadas por espartilhos, nem a necessidade de ter um homem para pagar suas contas!

Mulheres usando chapéu clochê no trabalho, enquanto datilografam.

Chapéu clochê customizado com fita e laço.

No mundo da Moda, as tendências promissoras sempre tem inspirações nas décadas passadas, como podemos observar, os óculos de aro de tartaruga tão usados na década de 20 estão, atualmente, em alta e ficam simplesmente lindos, quando combinados com os chapéus clochê.

Chapéus clochê combinados com óculos de aro tartaruga.

O chapéus clochês  também são ótimos para quem gosta de um look despojado, hoje em dia não são só as mulheres de cabelos curtos que usam, quem tem cabelos longos, soltos ou presos pode usar o chapéu clochê que o modelo fica muito charmoso!

Chapéu clochê para cabelos longos e looks despojados.

Outro acessório que acompanha muito bem os chapéus clochê  nos dias atuais é o cachecol, uma combinação perfeita para dias mais frios. Aliás, chapéu combina com o frio!

 Chapéu clochê com cachecol para os dias frios de inverno.

 Chapéu clochê com casaco.

Já no Verão, o chapéu clochê fica lindo ao ser usado em eventos noturnos! Aposte em vestidinhos  de tecidos leves, estampas floridas, buscando um ar romântico e fique linda!

Chapéu clochê com vestido e salto.

As saias godê também ficam um arraso com os chapéus clochê , podendo ser combinadas com camisas ou blusas mais soltinhas!

Looks usando chapéus clochê e saias godê.

Gostaram da História do Chapéu Clochê? Este modelo, além de ser um charme, é um marco na história de emancipação feminina! Usem e abusem!

Um forte abraço,

Katrine e Leticia – Equipe Chapelaria Vintage

2 thoughts on “História do Chapéu Clochê

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *